domingo, 9 de agosto de 2009

Reflexo Interrompido*


.
.
.

Se antes eu era um mistério,
agora fui desvendada
e temo não ser nenhuma
esfíngie ou sorriso de monalisa.
.
Isso seria complexidade demais para mim.
.
Temo ser um simples rabisco
ou um emaranhado de linhas tortas:
não há o que desmistificar.
.
Minha alma se retorce dentro de mim
querendo sair de um casulo
que levei a vida inteira para construir
achando que sairia dele como uma borboleta...
.
Agora não há como saber
se a metamorfose foi completa,
pois a minha alma eu não posso ver num espelho
e é difícil me enxergar de dentro.
.
Preciso, então, olhar em teus olhos.
eles são meu espelho.
.
Reflito o que você me reflete.
.
Agora nada sou, nada reflito:
você simplesmente fechou os olhos pra mim.
.
.
.
(Dayane Moura)
*
P.S.: Em minhas mãos só linhas nas palmas... o espelho que segurava parece ter se quebrado sem ter deixado nem ao menos cacos. Só me resta decifrar as linhas da vida.

4 comentários:

  1. nenhuma comprovação pode ser dada.
    sobre metamorfoses completadas,
    cruzadas.
    só pode saber... ao sair.
    e cair.

    quantos reflexos, hein?
    e eu votei! =) hehehe
    beijão, day

    ResponderExcluir
  2. Mais uma vez,belas palavras day!

    Feche os olhos e talvez sinta o que procura tanto enxengar!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  3. Menina Day,
    todos atravessamos momentos assim,
    parece que a luz se apaga, e por isso
    não nos vemos de fato.

    É só um momento.
    Abra bem os olhos, abras as cortinas,
    escancare as janelas, acenda todas as luzes,
    e admire a sua beleza.
    Sei que é difícil, mas precisamos ser os
    nossos próprios espelhos.

    Beijos.

    ResponderExcluir